Plugue ocular reduz dor e inflamação após a cirurgia de catarata

eyeverify

O primeiro plugue ocular, implantado no canal lacrimal, desenvolvido para tratar a inflamação e a dor, após a cirurgia de catarata, se revelou uma alternativa confiável  ao uso dos colírios. As informações são de um estudo – Evaluation of Sustained-Release Dexamethasone for Safety and Efficacy After Cataract Surgery in a Multicenter Study (PA004) – apresentado durante a reunião anual da Academia Americana de Oftalmologia, que aconteceu  em outubro, em Chicago, EUA.  O dispositivo, conhecido como um plug punctum, é implantadono final da cirurgia de catarata e  fornece automaticamente a quantidade correta da medicação pós-operatória aos pacientes, o que potencialmente pode resolver a questão da falta de adesão do paciente ao tratamento. Muitos pacientes não conseguem cumprir as recomendações médicas sobre a administração das drogas pós-operatórias.  Após a cirurgia de catarata, para a maioria dos pacientes, são prescritos colírios para reduzir a inflamação ocular, que ocorre frequentemente após a cirurgia, mas muitos não instilam o medicamento corretamente ou não são capazes de instilar a posologia recomendada.  Visando melhorar o pós-operatório da cirurgia de catarata, pacientes que fizeram a cirurgia de catarata, em quatro serviços oftalmológicos nos Estados Unidos, foram selecionados para participar deste estudo na fase 2.  Os pesquisadores, então, implantaram os plugues projetados para fazer a liberação sustentada do medicamento para a dor – dexametasona –  dentro do olho, durante um período de 30 dias, após a cirurgia de remoção da catarata. Após 30 dias, o plugue amolece, se liquefaz, por ser biodegradável, e é eliminado através do canal lacrimal, sem a necessidade de remoção. Os pesquisadores concluíram que, quando comparado a um placebo, o plugue com a dexametasona proporciona reduções sustentadas de inflamação e de dor por até um mês, após a cirurgia de catarata.  Para chegar a essas conclusões, os 60 pacientes participantes do estudo foram divididos aleatoriamente em dois grupos: um grupo de 30 pacientes recebeu um plugue com placebo e os demais 30 pacientes receberam um plugue com dexametasona. Em vários pontos, ao longo dos 30 dias após a cirurgia da catarata, os pesquisadores avaliaram os pacientes, em ambos os grupos, para detectar inflamação ocular (medida pela presença de células na câmara anterior do olho tratado) e dor.  Eles descobriram que o grupo medicado com dexametasona apresentou significativamente menos dor ao longo dos 30 dias. No primeiro dia, o grupo que recebeu o placebo relatou dor ocular com pontuação média três vezes mais elevada do que o grupo medicado com dexametasona.  No 14° dia, o grupo que recebeu o placebo relatou dor ocular com pontuação média 11 vezes maior que o grupo que recebeu o plugue com o medicamento, permanecendo neste nível de dor até a conclusão do estudo.  A inflamação ocular no grupo medicado com dexametasona também foi significativamente menor do que a do grupo que recebeu o placebo. Por volta do 14° dia, mais de 30% dos pacientes do grupo medicado com dexametasona não apresentava nenhuma inflamação ocular, em comparação com 3% do grupo que recebeu o placebo. Por volta do trigésimo dia do estudo, mais de 60% dos pacientes do grupo que recebeu o plugue com dexametasona não apresentava sinais de inflamação em comparação com 13% dos pacientes no grupo do placebo.  Foi constatado também que menos pacientes no grupo que recebeu a dexametasona exigiram medicamentos anti-inflamatórios adicionais em comparação ao grupo do placebo. Além disso, uma menor percentagem do grupo com o medicamento instilado via plugue relatou ter sensibilidade à luz em comparação aos doentes tratados com placebo, para se ter uma ideia: no primeiro dia (44,8% versus 65,5%) e no quarto dia (37,9% versus 56,7%).  A maioria dos pacientes que se submete à cirurgia de catarata é de idosos, que podem ter dificuldades para aderir ao tratamento no pós-operatório, com instilação de colírios, por várias razões. Instilar o colírio no olho pode ser difícil para alguns, especialmente para aqueles que têm problemas para segurar firmemente as embalagens  ou para fazer a contagem das gotas sobre o olho.  O plugue elimina essas variáveis ​​e torna a recuperação da cirurgia muito mais fácil para os pacientes.  Com base nos resultados deste estudo, o produto ainda será melhor avaliado em ensaios clínicos de fase 3. O dispositivo já foi aprovado nos EUA e na Europa. No Brasil, já há um dispositivo similar liberado para o tratamento da retinopatia diabética. Por enquanto, não há previsão de sua liberação para o pós-operatório da cirurgia de catarata.

Registre suas dúvidas ou comentários...

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s